quinta-feira, 21 de julho de 2011

A BENÇÃO DE GERAR FILHOS! 3


Hoje minha esposa Patrícia está grávida de sete meses e não tenho como expressar a alegria que sinto quando chego em casa e a vejo com aquela barriga linda.





Nosso filho Marcus Vinícius está um adolescente lindo e cheio de vida; está com catorze anos e meus sonhos pra vida dele é que em primeiro lugar Deus seja o centro em sua vida, cresça com muita saúde e Jesus como Senhor e Salvador.





Pois bem, depois de tantos anos eu e a Paty decidimos ter outro filho/filha em nossa família.





Tudo começou no mês de Maio de 2010 quando a Paty fez o teste de sangue para confirmar a gravidez. Ela o fêz, o resultado foi positivo, imediatamente ela ligou para mim no escritório e não pude resistir e gritei para meus amigos no trabalho: " A minha esposa está grávidaaa!!!". Estava eufórico e sem palavras.





Fomos em um consultório particular e vimos aquela coisinha pequena que o médico disse ser o saco gestacional, onde o feto se desenvolve. Saímos dali apaixonados pela gravidez.





A barriga da Paty já começa a aparecer e dava para notar que o tamanho da barriga havia aumentado. Desde já estávamos acompanhando todo dia o processo da gestação.





No dia 13 de agosto de 2010 a Paty sentiu algo estranho, alguma coisa estava errada com sua barriga. A barriga que antes estava rígida havia descido; isso a deixou muito preocupada e eu estava na igreja quando meu cunhado foi até lá me chamou e disse: "Fábio, a Patrícia foi para o hospital e não está bem". Imediatamente fui ao encontro dela no hospital. A Paty tinha feito alguns exames e o médico havia indicado o retorno ao consultório particular. Eu não estava no momento com ela no consultório mas ao chegar em casa eu pude ver nos olhos dela e no do Marcus aquilo que eu estava presentindo: ela teria um aborto espontâneo do saco gestacional pois o feto não tinha se desenvolvido. A esse tipo de gravidez no qual o feto não se desenvolve é chamado de ovo cego ou gravidez anembrionária.





Ficamos arrazados! Estávamos em luto! A alegria tinha se convertido em lágrimas de uma hora para outra. Perdemos aquele vidinha ao qual a gente acariciava com as mãos e beijava a barriguinha. Lamentamos muito.





Abrindo um parênteses: Difícil também foi saber do que falaram da Patrícia e da gravidez dela, e veio justamente da parte que pode nos ferir mais: a própria família. Era algumas pessoas da família, não todos. Diziam que a Patrícia tinha imaginado estar grávida e que era coisa da cabeça dela. Outra pessoa disse que era gravidez psicológica e outras baboseiras. Deus sabe quem são e nós também. Mas todos estão nas mãos de Deus em orações para que se arrependam. Não deixamos de falar com essas pessoas e nem as tratamos de outra maneira. Estão nas mãos de Deus. Não usaremos as mesmas armas que tentaram nos ferir.


Oramos por toda a situação e entregamos nossas perdas, dores e lágrimas nas mãos de nosso Deus.





Bem, continuamos nossa vida. Esse episódio estávamos deixando para trás.





Até que...





Deus escreveu outro enredo para nossas vidas.





Algo novo iria acontecer.








Nos dias que se seguiram a perda da gestação da Paty meu coração ficou muito sensível a Deus, orava mais sozinho, lia o Evangelho, enternecido e carente da graça. Situações como essa podem em algumas pessoas adubar o coração à estarem sensíveis mais a Deus.





Eu pedia a Deus que nos abençoasse com uma criança e eu era específico, pedia que fosse uma criança do sexo feminino, uma menina. Orava muito e pedia sempre assim, confiando em Deus e na sua Graça. Deus tinha engravidado meu coração com aquela palavra de Jesus: O impossível dos homens é possível para Deus. Eu queria experimentar uma gravidez ao lado de minha esposa.





Voltamos ao início da esperança...





O exame confirmou o que esperávamos: grávida!





Uma nova luz de vida emergiu diante de nossos olhos.





E depois de algumas ecografias, e numa delas o médico disse: "vocês querem saber o sexo do bêbe?" Meu coração gelou...mas eu havia pedido ao Pai que estás nos céus: "Pai, uma menina para alegrar nossos corações". No momento do coração gelado, dentro da clínica, a Paty deitada ao lado, me lembrei que o impossível para mim era possível para o Deus vivo, único e senhor.


O médico disse: é uma menina!!! Se não fosse um pouco tímido daria um pulo alí de alegria e devoção.





Foram tantas coisas que já aconteceram que não contei aqui, senão ficaria um texto grande demais rs





Volto ao início desse texto: o prazer de ver a barriga de minha linda esposa crescendo. Eu sei que a barriga incomoda um pouco, atenção deve ser redobrada com alimentação adequada, ter que tomar Dramin, etc. Mas estou ali para o que der e vier rs Ajudando-a no que eu posso fazer.





Como é gostoso passar a mão na barriga e sentir nossa filha mexendo; a barriga começa a fazer ondulações com os movimentos dela e eu fico ali babando e namorando a Paty e a Beatriz Patricy.


Sim, o nome dela é Beatriz Patricy!

Obrigado Deus pelo teu cuidado e pelo trabalho que realizas em favor dos que esperam em ti.

E a todas as mulheres que passaram ou passam situação semelhante, que Deus conceda a mesma alegria e benção que eu e a Paty conquistamos pela fé e pela graça de nosso Deus.

Fábio Menen

Um comentário:

  1. Nos sentimos muito edificados com a história de vocês! Pela coincidência dos fatos talvez, mas louvamos a Deus pelo o que Ele tem feito em suas vidas! Amamos muito vocês!
    Um grande Abraço!
    Anderson e Lilian

    ResponderExcluir