segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

A BENÇÃO DE GERAR VIDAS - PARA PAIS E MÃES

11
Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Isaías 9


Esse versículo é parte de uma profecia maior escrito pelo profeta Isaías. O Messias era aguardado e esperado; seu advento estava sendo anunciado como mensagem de Deus para Israel. O nascimento de uma criança seria a tão esperada resposta de Deus para Israel que aguardava redenção e salvação.

“... um menino nos nasceu, um filho se nos deu...” – O nascimento de uma criança é sinônimo de alegria, esperança, festa e expectativas.

Quando o Marcus Vinícius nasceu eu fiquei sem chão. Achava que não seria capaz de ser um bom pai para ele e que não seria uma boa referência paterna. Hoje, dou graças a Deus pela benção de ser pai e pela alegria de mesmo eu sendo falho, juntamente com a minha amada e querida esposa, podermos ver o crescimento de nosso filho.

Quantas expectativas e sonhos projetamos em nossos filhos! Quantos desejos de que eles sejam aquilo que almejamos. Como pais, desejamos sempre o melhor para eles.

Nossos filhos existem para serem amados por nós; existem para serem nossos melhores amigos. Amizade e confiança devem existir entre pais e filhos.

Aprendi que os filhos são a versão melhorada de nós mesmos. Aquilo que fui ou sou, negativamente falando, não deverá ser repetido por nossas proles. Se filhos são a perpetuação de nosso nome e memória, então, deverão ser melhores que nós em sua maneira de viver.
Honestamente, não desejo que meu filho repita erros que cometi; ao contrário, que eu seja melhorado nele. Que aquilo que em mim faltou como virtude, nele, seja acrescido da virtude que um dia poderia por eu ser vivido. Penso não apenas pra mim, mas para todos os pais desse país. Nossos filhos devem ser trabalhados para serem a versão nova, correta e bonita da vida que um dia não vivemos.

Não significa que nossos filhos não têm individuação e desejos próprios, mas estaremos juntos com eles, ajudando-os em decisões, até ao momento em que eles poderão seguir sozinhos em sua jornada e na tomada de decisões.

“... um menino nos nasceu, um filho se nos deu...” – Uma criança nos foi dada; é nosso! Pertence aos pais e espera-se que os pais cuidem, alimentem e vistam esse filho com amor e cuidado.

“... um menino nos nasceu, um filho se nos deu...” - Esse versículo fala sobre o Messias. Nossos filhos não são Messias. Agora, eles precisam ter o Messias neles.

Por que precisam do Messias neles?

Ora, porque nossos filhos também são filhos de Adão e Eva. Nossos filhos são filhos que carregam a maldita herança adâmica.

Nossos sonhos é que eles sejam a versão melhorada de nós, e nos desesperamos quando aquilo que construímos com dedicação, carinho e vontade, sucumbe diante de nossos olhos. Drogas, prostituição, bandidagem, doenças viciantes, etc. O mundo suburbano juvenil hodierno. Não foi o que sonhamos e que trabalhamos neles, então, a pergunta: “Por quê???

Invista o seu melhor nos filhos, mas não esqueça que eles também são feitos de barros como qualquer um de nós, eles podem cair e tornar-se cacos quebrados. Se isso vier a acontecer, não desanimemos, pois ser pai e mãe é um ministério sacerdotal que durará até o momento em que o sangue ainda corre em nossas veias.
Brigas, discussões, intrigas, disputas podem estar em uma casa onde há filhos, mas também a casa pode ser um lugar de cura e graça, onde há espaço para uma conversa franca, séria, responsável, perdoadora, reconciliadora e prática.

Quero o melhor para o meu filho, e se ele vier a sair daquilo que sabemos ser caminho de vida pra ele, não devo me culpar e nem me escusar, mas procurar portas de saídas e soluções.

“... um menino nos nasceu, um filho se nos deu...” – Jesus seria conhecido como Pai da Eternidade, Príncipe da paz, Maravilhoso, Conselheiro, Deus forte; essa era a expectativa de Israel em relação ao Messias aguardado. O nome Messias significa ungido, libertador, consagrado. Essa era a vontade de Deus em seu filho Jesus.

Qual a nossa vontade em relação aos nossos filhos?

É nosso desejo que eles sejam ungidos, consagrados e libertadores?

Nossos filhos existem não apenas para serem nossa melhor versão, mas para que suas vidas existam para conhecer e glorificar a Deus.

Quando o Marcus Vinícius nasceu (quando estava no quarto de sua avó), eu o tomei nos braços e o dediquei a Deus. Eu disse essas palavras: “Senhor, obrigado pelo Marcus Vinícius, mas ele é Teu agora. Que o Marcus seja muito feliz aqui, mas que ele faça a Tua vontade e que Te conheça. Não sei se será como pregador ou cantor, mas que a vida dele seja para a glória de Teu nome”.

Nosso filhos podem ter a natureza caída, mas aonde abundou o pecado, superabundou a Graça de Deus. Prefiro olhar meu filho com olhos da Graça, do que, com olhos de pessimismo e derrota. O maior sacerdote na vida de um filho ou filha é o pai e a mãe. Esses são os pastores verdadeiros de suas vidas.
Que nossos filhos sejam maravilhosos! Que nossos filhos sejam conselheiros, sábios e com o dom do discernimento; que nossos filhos sejam filhos da Paz; Que o Deus Forte os torne fortes para enfrentarem as hostilidades desse mundo.

Parabenizo o casal Diogo e Vera pela nascimento do Davi – nos alegramos muito meus queridos, um bem vindo ao Davi; que o Davi cresça com saúde, graça e sabedoria.

Felicitações também pela vida da Isabela, filhos da Sara e do Gérson. A Patrícia acompanhou e acompanha de perto, ajudando a nova mamãe em seus primeiros passos maternos.
Um grande abraço do tio Fábio e da tia Paty para a Júlia com todo o nosso amor.

Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão. Salmos 127:3
Fábio Menen

sábado, 20 de fevereiro de 2010

A IGREJA ORDINÁRIA


A vida cristã na Igreja deve ser simples em sua forma de expressar a graça de Deus.

Frequentemente, pensamos em Igreja quando fazemos fórmulas infalíveis de sucesso, formas incríveis de crescimento, uma estrutura de arrecadamento e gerenciamento, etc. Também pensamos que a Igreja certa é aquela ao qual não há problemas e que eventualmente não ocorrerá situações de embaraço.

A Igreja é feita de seres humanos. Seres humanos com idiossincrasias. A leitura de 1 e 2 Coríntios nos apresenta uma igreja problemática.

Se formos honestos poderemos dizer que nossa igreja é como a maioria das demais denominações, que carregam os mesmos dilemas e problemas. Sim, em minha igreja há intrigas, gente que adultera, que mentem, gente que não obedece a palavra de Deus; há aqueles que oram, que buscam a Deus seriamente, que estão a serviço do Reino de Deus, que se arrependem e voltam ao primeiro amor...a Igreja é feita de seres humanos!

Saber teoricamente isso, nada significa, pois o modelo que se espera das pessoas da Igreja é que elas sejam, aos olhos de todos, impecáveis. Isso gera uma doença bem mais profunda.

Se a minha igreja é assim eu posso dizer então: "minha igreja é genuinamente bíblica!" Novamente leiam as epístolas de Paulo e vocês entenderão.

Os pastores, obreiros, ministros e membros que ali estão, todos vivem debaixo das mesmas contigências da vida. Acho interessante a ordem de Jesus ao dizer que não devemos julgar o próximo, pois na medida que julgarmos, seremos julgados.

Não julgo, apenas constato e externo o que vejo.

Por isso, na perspectiva evangélica, contar bençãos deve ser contos de fatos extraordinários, para fazer diferença entre os que vivem ordinariamente. Afinal, bençãos que não sejam extravagantes não serão edificantes para os ouvintes. Quantas vezes muitos se negam a "contar uma benção" já que, nada absolutamente extraordinário aconteceu!?

Se não houve um livramento de morte, um milagre que não se explica, visões angelicais, curas miraculosas...não há nada para se falar. Tudo tem que ser extraordinário.

Creio em milagres, creio em curas, creio que Deus é soberano e que faz coisas impensáveis. Isso é teologia pura!

Agora, o que percebo é que estamos esquecendo a graça do ordinário.

Muitos cristãos estão mais preocupados em conhecer histórias, biografias e vidas daqueles que fazem sucesso em livros, igrejas, congressos, cruzadas, do que, em se aprofundar de fato na vida dos seres que compõem as histórias da Bíblia. Nossos heróis não são bíblicos, eles são hodiernos, ricos, glamourosos, extravagantes e palestrantes de sucesso. Esses falam sobre como suas igrejas passaram de cem membros para 5 mil membros; igrejas bem sucedidas e pomposas; estratégias de arrecadamentos invejáveis. Se você procurar nas livrarias evangélicas saberá que não estou inventando nada. Pura estratégia de vendas e marketing.

Agora, imaginem que com essa mentalidade é impossível permanecer em uma Igreja que prega com Graça, ministra com simplicidade e permanece na presença de Deus em dependência absoluta. Afinal, para esses, essa Igreja deve ser muito fria em relação aos picantes gostos pentecostais desse indivíduo.

Olhem para a mídia das apresentações evangélicas e me digam, o Evangelho de Jesus está sendo pregado ou apenas as demostrações de poder dessa igreja para a adesão de massas? A Cruz está sendo afirmada? O retorno de Cristo está sendo afirmado? A Santidade está sendo afirmada? Ou apenas o poder de Deus está sendo exposto, sem prática alguma de consciência cristã?

Admiram a fé de Abraão, mas rejeitam e ignoram sua fraqueza. Falam sobre Jacó e sua vitória com o anjo, mas negam o espírito manipulador que ele tinha e que precisava ser tratado.

Deus é o Deus da realidade. Nos faz nos enxergar por dentro; olhar-nos com os olhos da Santidade. Não devemos querer apenas o extraordinário, mas o ordinário em nossa jornada cristã. A ênfase no extraordinário adoeceu o homem.

Ao lermos as Escrituras, vemos que Davi, Jacó, Isaque e muitos outros tiveram problemas em seus casamentos, na criação de filhos, na vida profissional e na sua vida com Deus. A Igreja bíblica também enfrentou diversos males. Não devemos extraordinarizá-la e esvaziarmos de seus conteúdos ordinários; seria falsificar o que a igreja é.

Você me pergunta: "Há espaço para o extraordinário"? Claro que há! Deus é extraordinário, mas não nos remete apenas para esse nível de existência, e deseja que nos acomodemos às coisas puras e simples da vida. Viva a simplicidade do ordinário que naturalmente o extraordinário acompanhará os que buscam a face de Deus.

Precisamos encontrar a vida em Cristo em lugares ordinários...no quarto, na rua, na cozinha, no ônibus - lugares que esteticamente não são extras - reconhecendo que a manifestação de Sua presença não se confina a eventos e a multidões.

Para o nosso crescimento na fé, não precisamos de mega shows da fé, igrejas espetaculares, líderes, pastores, obreiros que não partilham da vida comum. Oração, comunhão com Deus e leitura dos Evangelhos nos remeterá à graça do ordinário.

A igreja existe para servir a Deus e aos seus irmãos no amor de Cristo.

Pensem nisso,

Fábio Menen

domingo, 14 de fevereiro de 2010

CHUVA! INCRÍVEL!

video

Me impressiona bastante certas produções humanas.

Fábio Menen

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O EVANGELHO MALTRAPILHO - BRENNAN MANNING


O Evangelho Maltrapilho foi escrito para pessoas aniquiladas, derrotadas e exauridas. Pessoas que se acham indignas de receber o amor de Deus. Quem sabe, ignoradas pela comunidade de cristãos por não se encaixarem no perfil de super-homem ou de supermulher que lhes é constantemente exigido. Pessoas cansadas da espiritualidade superficial e consumista. Pessoas que travam inúmeras batalhas interiores por não se sentirem parte de uma comunidade afetiva e acolhedora.
"É um livro que escrevi para mim mesmo e para quem quer que tenha ficado cansado e desencorajado ao longo do Caminho", confessa o autor.
Franco e provocador, o aclamado filósofo e teólogo cristão Brennan Manning estréia em língua portuguesa com sua principal obra, que nos convida a depositar nossa esperança na amplitude da graça, capaz de alcançar pecadores e pobres em espírito, e de resgatar nossa dignidade original. No mínimo, você não ficará indiferente a ela.
Encorajo você a ler o livro.
Estou terminando a leitura.
Fábio Menen

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

A PAZ QUE EXCEDE O ENTENDIMENTO


Nesse último Sábado tivemos uma reunião na casa da minha sogra. Na verdade, eu já estava querendo fazer essa reunião com alguns amigos já conhecidos para orarmos uns pelos outros. E como foi gostoso o ambiente de oração, espiritualidade e adoração. Estavam eu, a Paty, Franci, Marcos, Vera, Patrício, Sumara, Julia ( recém nascida), Luciano com a sua esposa e filho. Foi uma benção.

Em rápidas palavras eu ministrei sobre 2 Reis capítulo 18 e 19. Enfatizei sobre os mensageiros inimigos que se nos apresentam com palavras de derrota e desânimo, querendo tirar a paz que há em nosso coração. O texto também apresenta Deus como o defensor de sua cidade, de seus filhos e quem guerreia por nós e nos dá livramento.

Na verdade, eu e a minha esposa estamos enfrentando muitas lutas espirituais. Percebo que nossa felicidade e harmonia incomoda a muitos. Percebo que determinadas pessoas bem próximas sentem um prazer sádico que querer nos ver pra baixo e nos desanimar. O fato de conseguirmos muitas coisas através da simplicidade, da boa conversa, da presença que não incomoda, a liberdade de ser, isto faz e gera em alguns, o desejo de não apenas estar em nosso lugar, mas, roubar isso de nós. Invejas camufladas diante de nossos olhos.

As vezes nos entristecemos muito por essas perseguições, mas também nos agarramos à Graça de nosso Pai celeste. Todos os que nos perseguem – sem causa – estão apresentados ao Senhor em oração e Deus saberá o que fazer. Eu, minha esposa e meu filho nunca desejamos o lugar de ninguém e estaremos apenas onde Deus quiser; nossas vidas pertencem unicamente a Ele. Deus conhece seus filhos e aqueles que perseguem seus santos.

O maior adversário que devemos vencer não é feito de carne, mas a possibilidade de amargurarmos nossa alma e alimentá-la com ódio, rancor e insegurança. A serpente, conforme Gênesis, apenas se alimenta de nossas produções e se aproveita disso.

O meu desejo é sempre poder me reunir com amigos e irmãos em Cristo para nos confraternizarmos e celebrarmos em alegria. Para você pode ser nada, para mim é essencial.
No final da reunião, orarmos de mãos dadas ouvindo um lindo louvor do grupo Trazendo a Arca e depois eu, a Paty e o Luciano oramos impondo as mãos sobre alguns.

Que Deus nos permita visitar enfermos, doentes, perdidos, encarcerados e sejamos agentes de cura, restauração, perdão e que o reino de Deus esteja visivelmente em nós.

Lucas 17:20, 21

E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está dentro em vós.
Fábio Menen