quarta-feira, 21 de outubro de 2009

DC TALK - WHAT IF I STUMBLE


E aí gente boa de Deus!
Posto aqui mais uma banda que merece ser apreciada pelos que gostam de boas músicas. O DC TALK trabalha temáticas espirituais fortíssimas; letras que fazem você questionar sua postura cristã/jovem no mundo.
No início o Dc Talk tocava apenas rap, depois conciliou rap e pop rock. Isto sem deixar de serem profundos em seus questionamentos e posições cristãs.
Atualmente cada componente segue com seus trabalhos solos. Apenas Michael Tait segue com a banda Tait.
Não posso deixar de postar uma de suas letras que muito fala comigo. É a canção WHAT IF I STUMBLE ( E se eu tropeçar?), fica postado a tradução.
Se não conhecem esse grupo aposto que vocês irão gostar.
WHAT IF I STUMBLE? (E SE EU TROPEÇAR?)

Isto é pelas pessoas?
Isto é pelo Senhor?
Eu simplesmente canto pelo que devo fazer
Você pode misturá-los, meu conflito ainda permanece
Por santidade esta chamando, no meio do tribunal da fama
Pois eu vejo confiança nos olhos deles
Apesar do céu estar caindo
Eles precisam do seu Amor em suas vidas
A conciliação chama
E se eu tropeçar, e se eu cair?
E se eu peder meu passo e fizer todos nós de idiotas?
O amor continuará?
Quando meu caminhar se tornar um engatinhar
Mas se eu tropeçar, e se eu cair?
Mas se eu tropeçar, e se eu cair?
Você nunca se livrará do calor disso tudo
Mas se eu tropeçar, e se eu cair?
Todos tem de engatinhar e você sabe disso

Pai por favor me perdoe, pois não posso compor
O medo que vive dentro de mim o modo como ele cresce
Se o conflito deve existir no caminho que me criou
Porque temo que minhas falhas
Irão deixar uma cicatriz mortal?

Eles vêem o medo em meus olhos?
São eles tão reveladores?
Desta vez eu não posso disfarçar
Toda dúvida que sinto
Você está contra o muro, prestes a cair

Eu ouço você sussurar meu nome, você diz
Meu amor por você nunca mudará, nunca mudará

Mas se eu tropeçar?
Mas se eu tropeçar?
E se eu cair?
Você nunca se livrarádo calor disso tudo
Mas se eu tropeçar, e se eu cair?
Você é meu conforto, e meu Deus
Um abraço,
Fábio Menen

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

ENTREVISTA II - JOÃO ALEXANDRE



João Alexandre Silveira nasceu em 29/9/64. É casado com Tirza, com quem tem um filho, Felipe. João tem sido um profeta da música evangélica brasileira. Suas composições, sempre comprometidas com a Palavra e com a realidade, tanto social, política, quanto religiosa (e principalmente evangélica - triste realidade) são um alento em meio a tanta superficialidade e falta de criatividade e brasilidade em nosso meio musical.

Abaixo da entrevista, segue também uma carta enviada pelo João, em Dezembro, para o site www.crerepensar.com.br (Entrevista feita por José Barbosa Junior).


CRER E PENSAR: João, seu novo CD, “É Proibido Pensar”, mal foi lançado e já virou comentário nacional, por causa da faixa-título e de um vídeo que faz sucesso na internet. Você esperava essa repercussão toda?

JOÃO ALEXANDRE: Esperava, mas nem tanto assim!
Minha música foi composta, intencionalmente, com todas as frases em letras minúsculas e as imagens do vídeo colocado no YOUTUBE, criadas por um internauta, por sua própria conta e risco, transformaram as frases em letras maiúsculas no ouvido das pessoas, por assim dizer, acirrando e atiçando uma discussão que já vem de muito tempo, inclusive em sites como o seu, CRER E PENSAR, entre outros! Até quem não é “evangélico”, acabou assimilando a intenção da música por causa do vídeo e percebendo que nem todos os cristãos são condescendentes com tudo o que lhes é pregado nas igrejas pelo Brasil afora, portanto não sei se ele (o vídeo) foi ruim, acho que não!! Digo isso, porque está cada vez mais difícil dizer que os evangélicos são interdenominacionais, já que pregamos evangelhos diferentes, é ou não é? Penso que, se alguém tem que fazer críticas à Igreja, que seja ela mesma, certo? Trabalho com Música há mais de 25 anos e nunca gastei dinheiro com divulgação, raramente faço lançamentos de meus CDs, sempre foi no boca a boca mesmo, pessoas que indicam meu trabalho pra outras pessoas! Sendo assim, muita gente que nasceu, digamos, de 20 anos pra cá e que convive diariamente com toda mudança imposta no cenário cristão brasileiro desde então, acaba nem percebendo, no seu dia a dia, o quanto a MÍDIA, principalmente a MÍDIA cristã (rádios, televisões e a própria INTERNET) nos transforma em reféns, subjugando, além dos nossos ouvidos, também a nossa mentalidade! As críticas que recebo, normalmente são distorcidas, desfocadas e desassociadas de meu trabalho com um todo, já que, quem realmente me conhece de perto e conhece minha trajetória, sabe que não componho só músicas desse tipo, muito menos sou membro ou “fundador” de algum movimento revolucionário anticristão que visa “dividir” a Igreja de Cristo, sou só um cristão músico! Assim como um espelho, acho que essa música acabou por refletir especificamente em cada um, o comportamento da própria Igreja, da qual todos nós fazemos parte e, convenhamos, ver a própria imagem refletida agrada a alguns mas desagrada a outros, fazer o quê???! Quando digo comportamento, me refiro aos desvios causados por ministrações malucas, associadas à distorções na pregação do evangelho, que, ao invés de trazer ao homem a Graça de Deus e o perdão incondicional para seus pecados, acabam por restringir o Todo Poderoso a “gente que faz”, mediante negociações com o Céus, como se isso fosse possível! Se as outras canções que compus, CORAÇÃO DE PEDRA e TUDO É VAIDADE, não menos sutis e confrontadoras do que esta, fossem gravadas agora, seria a mesma coisa, ainda mais associadas a um vídeo, um estardalhaço total!

CRER E PENSAR: Você já trouxe, em outras canções, críticas ao modelo de igreja que percebemos crescer no Brasil (“Tudo é Vaidade”, “Coração de Pedra”, “Em Nome da Justiça”). Há espaço para a música crítica e de denúncia no espaço “gospel” brasileiro?

JOÃO ALEXANDRE: Mais do que cantar o que as pessoas gostam de ouvir, é preciso cantar o que elas precisam ouvir! Músicas, não de açúcar, que adoçam os ouvidos, mas não mudam o coração e sim, música de sal, que entram pelos ouvidos, batem no coração, saem pela boca e temperam o mundo, conforme a ordem de Jesus! Quando minha mãe me mandava arrumar meu quarto, eu ficava louco de raiva, mas ela tinha razão! Assim acontece com qualquer crítica no sentido de tomarmos alguma atitude!

CRER E PENSAR: Quais são suas influências musicais? E quais pensadores cristãos você gosta de ler/ouvir?

JOÃO ALEXANDRE: Musicalmente, eu diria TAKE 6, Boca Livre, 14 Bis, Dori Caymi, Cezar Camargo Mariano, Leni Andrade, Bossa Nova em geral, Leonardo Gonçalves, Lenine, Céu na Boca, Carlinhos Veiga, Gladir Cabral, Stenio Marcius, Edilson Botelho, Kerr, Bolmilcar, Pimenta, Jorge Camargo, Gerson Borges, Estilo de Vida e por aí vai, mas gosto daqueles que têm uma veia brasileira, de preferência! Tem muita gente conhecida e desconhecida e seria uma lista interminável e injusta até,, já que ouço de tudo mesmo, até algumas verdadeiras porcarias que não citarei aqui, mas que me ajudam a fugir delas ao invés de copiá-las!!!! Mas, confesso que só ouço música quando preciso de referências, não vivo ouvindo música dia e noite não! Entre os pensadores, Francis Shaeffer, Henry Nowen, Russel Shedd, Ariovaldo Ramos, Caio Fábio, Ed René, Ricardo Gondim, Ricardo Barbosa, Bráulia Ribeiro, Philip Yancey, entre tantos outros e especialmente você, Júnior Barbosa, com incríveis e inteligentíssimos artigos colocados em seu site!!

CRER E PENSAR: É difícil ser um músico cristão realmente comprometido com a Palavra?

JOÃO ALEXANDRE: Se ele não for comprometido com Jesus, não é cristão, porque, assim como outras tantas atividades e profissões que existem, ele está sempre exposto às pessoas e à critica alheia! Colocarei a opinião do grande Abraham Laboriel, que faz parte do meu livro “ Músico: Profissão ou Ministério? “:

O Senhor repetidamente nos advertiu sobre os perigos do julgamento temerário. Não obstante nós continuamos a praticá-lo repetidamente. O trabalho de muitos músicos é bastante visível aos outros, seja ele um trabalho ao vivo ou gravação em estúdio. As pessoas que assistem tais músicos trabalhando chegam a pensar que estão em posição de julgá-los. Elas não estão. Estas pessoas são as mesmas que pensam saber quais ritmos são divinos e quais aqueles que não o são, quais progressões harmônicas vêm de Deus e quais vêm do Diabo, quais passos de dança que são corretos e quais os que são pecaminosos. O músico é responsável por sua própria conduta e será conhecido pelos seus frutos.

Não é de se surpreender que muitas pessoas tenham reservas quando se trata de ouvir as Boas Novas do amor de Deus. Aqueles que endureceram os seus corações contra o Evangelho, ou pior, contra o Evangelho o qual pensam ter ouvido, mas não ouviram, são bastante hostis à idéia de se relacionarem com qualquer “cristão”. Muito freqüentemente, estas pessoas aprendem mais sobre juízo do que propriamente o amor de Deus quando em contato com muitos cristãos.

Aprendi que sou sempre aceito na proporção em que amo de maneira genuína aqueles com quem convivo. Não tenho direito de fazer qualquer outra coisa. Algumas vezes as pessoas gracejam comigo — dizendo que não podem xingar ou contar as mesmas piadas que contariam se eu não estivesse por perto. Eu nunca disse a nenhum deles o que fazer. Mas por causa do amor deles por mim — e, creio eu, por causa da presença de Deus, que é gracioso em habitar em mim — minha presença, algumas vezes, constrange certas pessoas a não praticarem certas coisas. Tudo o que desejo ser é um servo genuíno e um amigo, assim como Deus me chamou a ser. Dito isso, estações de radio que tocam canções que com conteúdo explicitamente satânico, com espiritualidade Nova Era, com mensagens Hindu e Budistas, distanciam-se até mesmo da musica jazz instrumental que faça a menor menção de Deus ou de Jesus. Somos chamados a construir pontes, a derrubar os muros existentes entre nós e outras pessoas à medida que permanecemos fiéis ao Senhor que nos amou antes mesmo de O conhecermos.

CRER E PENSAR: Você tem valorizado, nos últimos CD's, compositores brasileiros que não estão na “mídia gospel”, como Stenio Marcius, Gladir Cabral, Edilson Botelho, que são compositores e poetas brilhantes. Na sua opinião, por que esses “feras” não são tão conhecidos?

JOÃO ALEXANDRE: Por causa do subproduto da mediocridade musical imposto no Brasil, dentro e fora do meio cristão! Assim como a comida, a bebida, as roupas, o carro, o emprego, a carreira, etc., música é uma questão de escolha, portanto, cada um tem a música que merece, é triste, mas verdadeiro! O único problema é que a Fé vem pelo ouvir, então, é bom não ouvir “qualquer” coisa pra não comprometer a nossa Fé, só isso!

CRER E PENSAR: Uma última pergunta: Afinal de contas: Quem poderá resolver nosso problema? Rsrs

JOÃO ALEXANDRE: A resposta é implícita, pois também cada um tem o Evangelho que merece!Particularmente, acho que serão os que pensam!!!“O meu povo padece porque lhe falta entendimento”“Amar a Deus de todo vosso coração e com todo vosso entendimento”A única coisa que nos difere dos outros animais é aquilo que insistimos em não usar: A razão.

CRER E PENSAR: Deixe um recado para os leitores do “Crer e Pensar”.

JOÃO ALEXANDRE: Pensem crendo e creiam pensando!!!

Abração apertado!! João Alexandre.

Letra da música É PROIBIDO PENSAR de João Alexandre.


Procuro alguém pra resolver meu problema
Pois não consigo me encaixar neste esquema
São sempre variações do mesmo tema
Meras repetições

A extravagância vem de todos os lados
E faz chover profetas apaixonados
Morrendo em pé rompendo a fé dos cansados
Com suas canções

Estar de bem com vida é muito mais que renascer
Deus já me deu sua palavra
E é por ela que ainda guio o meu viver

Reconstruindo o que Jesus derrubou
Re-costurando o véu que a cruz já rasgou
Ressuscitando a lei pisando na graça
Negociando com Deus

No show da fé milagre é tão natural
Que até pregar com a mesma voz é normal
Nesse evangeliquês universal
Se apossando do céus

Estão distantes do trono, caçadores de Deus
Ao som de um shofar
E mais um ídolo importado dita as regras
Pra nos escravizar.

É proibido pensar (5x)

Procuro alguém pra resolver meu problema
Pois não consigo me encaixar neste esquema
São sempre variações do mesmo tema
Meras repetições

Meras repetições
É proibido pensar

Fábio Menen

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A TIRANINA DO VAZIO III - O LEPROSO


LEVÍTICO 13: 44-46, 12, 13

44
Leproso é aquele homem, imundo está; o sacerdote o declarará totalmente por imundo, na sua cabeça tem a praga.
45
Também as vestes do leproso, em quem está a praga, serão rasgadas, e a sua cabeça será descoberta, e cobrirá o lábio superior, e clamará: Imundo, imundo.
46
Todos os dias em que a praga houver nele, será imundo; imundo está, habitará só; a sua habitação será fora do arraial.




12
E, se a lepra se espalhar de todo na pele, e a lepra cobrir toda a pele do que tem praga, desde a sua cabeça até aos seus pés, quanto podem ver os olhos do sacerdote,
13
Então o sacerdote examinará, e eis que, se a lepra tem coberto toda a sua carne, então declarará o que tem a praga por limpo; todo se tornou branco; limpo está.






A terrível praga chamada lepra. Um dos maiores males que poderiam visitar o povo de Israel, era a lepra. Vergonha, separação, alienação, preconceito, estigma, solidão, vazio e o valor próprio esmagado era o que caracterizava o leproso.


O texto que lemos retrata que a pessoa que está imunda, não é gentio, pagão; é sim, um dos filhos de Deus, um dos que fazem parte dos chamados para ser povo de Deus. Porém, esse filho de Abraão está em tremendo desespero e com muita dor e sofrimento – ele tornara-se leproso -, e todos sabiam que naquela época era difícil ser curado daquela enfermidade.


Agora, a lepra é tipificada nas Sagradas Escrituras como pecado. Pecado é ser separado de Deus. A lepra encontrou uma forma de se introduzir no meio do povo de Deus. Isso significa que o pecado pode surgir no meio das pessoas que chamam Jesus de Senhor e Salvador. Pode acontecer comigo e com você.


A Lei declarava que o leproso estava imundo; o Sacerdote assim ia declarar e dizer que a sua praga está sobre sua cabeça. Em outras palavras, seria um ser estigmatizado pela sociedade, longe de seus familiares e até dos ambientes religiosos. Até as vestes seriam rasgadas em confirmação da exclusão do indivíduo.


Não sei o que levou esse indivíduo a ser consumido de lepra, mas ao fazer a tipificação da lepra/pecado, posso dizer que essa lepra de hoje estraçalha as "roupagens" de justiça que homem possa ter. Ele rasga a Graça em nós, nos faz despir da verdadeira humanidade que temos, despedaça nossa existência e aniquila o amor, a sinceridade e a verdade.


Imaginem a lepra da mentira, da infidelidade, da usura e do ódio acometendo famílias? O desastre e a fragmentação que daí decorre?


Na verdade, essa lepra nos torna nus aos olhos de todos.


Essa percepção da nudez foi Adão quem primeiro teve: "...porque estava nu, tive medo e me escondi". O vazio interior de homens leprosos que se escondem de Deus.


Fiquei chocado quando li que até os cabelos são desgrenhados. Não poderia haver dignidade mais nesse ser humano; "Cobrirá o bigode", sem fala, sem testemunho, sem voz, mudo, calado. O pecado tira do ser humano o verdadeiro grito de liberdade, não apenas isso, mas também o verdadeiro louvor.


Ele não é mais um ser humano, é uma coisa, um ser repugnante. Sua única opção era ouvir: "Imundo! Impuro! Leproso!


Sabe porque existem tantas pessoas enlouquecendo? Pessoas se suicidando? Homens e mulheres com vazios existênciais terríveis!?


É porque no fundo de sua alma, em suas consciências, eles ouvem: Imundo! Imundo! E a partir dai, tornam-se pessoas susceptíveis ao suicídio, a depressão, a esquizofrenia e toda sorte de idiossincrassias.


A forma mais simples de dizer o que o texto quer dizer é o seguinte: O PECADO NOS MACULA E NOS TORNA OCOS EM NÓS MESMOS!


Será que à semelhança de Adão e Eva os homens não estão escondendo-se de Deus para não expor suas lepras??? Creio que sim, pois o encontro com o Eterno implicará em olharem para dentro de sí mesmo e verem as doenças que habitam e mesclam seus espíritos. Nem todos estão aptos para olharem para dentro de si.


Creio que somente quando admitimos culpas, pecados, inclinações é que damos um passo rumo à libertação e desaprisionamento.


Sabemos que podemos estar na Igreja, no meio do povo de Deus, na mesa da comunhão e mesmo assim não participarmos do Reino de Deus. Dentro da igreja mas fora do Reino. Isso é triste. O leproso não tinha comunhão com ninguém, estava só; espiritualmente, não se tem comunhão nem com Deus - lugar da mais pura solidão - .


Podemos ser bons cantores, oaradores, pregadores, músicos; mas Deus conhece a impureza que habita em nós. Deus sabe onde está localizado a lepra. Ele sabe e também deseja nos tornar sãos.
"Esta será a lei do leproso no dia da sua purificação", glória a Deus! Louvado seja o nome de Jesus! Instituiu-se a lei da purificação!


E há todo um rito especial para a purificação. O Sacerdote examina o leproso e após constatar que toda a pele está contamindada, o sacerdote o declarará limpo. Isso só acontece depois que o sacerdote o examina minuciosamente. Isto é, nada mais a esconder; tudo tem que ser exposto, vir à tona.


Quando os erros e as trangressões são expostas à luz da verdade, você se torna limpo. Quando se admite culpas e essas culpas são arrancadas do lado de dentro para fora, o leproso se torna limpo.
O Sacerdote, todos sabemos quem é...Jesus. Ele é o nosso Sumo Sacerdote diante de Deus e também nosso Advogado; Seu sangue nos purifica.


Poderia continuar a falar sobre o rito da purificação e seu significado atual para todos nós, mas paro aqui. Deixo apenas a reflexão de que não há tirar esse vazio do homem enquanto não houver um encontro com Àquele que absorveu lepras e toda imundície na cruz do Calvário.

Não digo "igreja", digo um encontro com Jesus Cristo.


Pensem nisso.

Fábio Menen

terça-feira, 13 de outubro de 2009

PARA LER E PENSAR - AUGUSTO DOS ANJOS



O LAMENTO DAS COISAS

Triste, a escutar, pancada por pancada
A sucessividade dos segundos
Ouço, em sons subterrâneos, do Orbe oriundos
O choro da Energia abandonada!
E a dor da Força desaproveitada
- O cantochão dos dínamos profundos
Que, podendo mover milhões de mundos
Jazem ainda na estática do Nada!
É o soluço da forma ainda imprecisa...
Da transcendência que se não realiza
Da luz que não chegou a ser lampejo...
E é em suma, o subconsciente aí formidando

O MEU NIRVANA

No alheamento da obscura forma humana
De que, pensando, me desencarcero
Foi que eu, num grito de emoção, sincero
Encontrei, afinal, o meu Nirvana!
Nessa manumissão schopenhauereana
Onde a Vida do humano aspecto fero
Se desarraiga, eu, feito força, impero
Na imanência da Idéia Soberana!
Destruída a sensação que oriunda fora
Do tato - ínfima antena aferidora
Destas tegumentárias mãos plebéias
Gozo o prazer, que os anos não carcomem
De haver trocado a minha forma de homem
Pela imortalidade das Idéias!

HINO À DOR

Dor, saúde dos seres que se fanam
Riqueza da alma, psíquico tesouro
Alegria das glândulas do choro
De onde todas as lágrimas emanam
És suprema! Os meus átomos se ufanam
Da pertencer-te, oh! Dor, ancoradouro
Dos desgraçados, sol do cérebro, ouro
De que as próprias desgraças se engalanam!
Sou teu amante! Ardo em teu corpo abstrato
Com os corpúsculos mágicos do tato
Prendo a orquestra de chamas que executas
E, assim, sem convulsão que me alvoroce
Minha maior ventura é estar de posse
De tuas claridades absolutas!

A NOITE

A nebulosidade ameaçadora
Tolda o éter, mancha a gleba, agride os rios
E urde amplas teias de carvões sombrios
No ar que álacre e radiante, há instantes, fora
A água transubstancia-se. A onda estoura
Na negridão do oceano e entre os navios
Troa bárbara zoada de ais bravios
Extraordinariamente atordoadora
À custódia do anímico registro
A planetária escuridão se anexa
Somente, iguais a espiões que acordam cedo
Ficam brilhando com fulgor sinistro
Dentro da treva onímoda e complexa
Os olhos fundos dos que estão com medo!
FÁBIO MENEN

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

FILME - QUE DIFERENÇA FAZ?

video

O filme "Que Diferença Faz?", é uma excelente dica para os universitários Cristãos e amantes do cinema, pois mostra através de mensagens evangelísticas como nós podemos apresentar o evangelho de Cristo com mensagens claras e precisas no Campus. O filme também conta com a participação especial do Rev. Caio Fábio e é uma grande produção cinematográfica da década de 80.

Sinopse : (Não Oficial)

O filme retrata a história de um Jovem universitário da Faculdade Estadual de Londrina, que está com problemas com notas e com a namorada, entrando também em um estado de crise existêncial, até que ao passar pelo Campus, viu uma reunião cristã com o Caio Fábio, todavia não deu muita importância para a mensagem. Após alguns dias o seu professor de Filosofia abriu espaço para o palestrante, e o Jovem pode ser impactado por sua mensagem sobre a Bíblia e Cristo, mudando assim o rumo de sua vida.

Bom filme!

Fábio Menen

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A TIRANIA DO VAZIO II - O FILHO PRÓDIGO



LUCAS 15:11-24


11
¶ E disse: Um certo homem tinha dois filhos;
12
E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda.
13
E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente.
14
E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.
15
E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos.
16
E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada.
17
E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!
18
Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;
19
Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.
20
E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
21
E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.
22
Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés;
23
E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos;
24
Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

Essa parábola de Jesus fala sobre o filho que não suportava mais a idéia de esperar a morte de seu pai para desfrutar de sua herança. Tornara-se inadiável o sair de casa e curtir freneticamente as delícias da vida. O pai ainda não morrera, isso era o grande obstáculo rumo a liberdade que esse filho almejava. Esse jovem em sua casa achava sua vida monótona. Em sua mente, enquanto ele ali estivesse, nunca poderia se sentir realizado, pleno e satisfeito. Era necessário encontrar um propósito para a sua vida e diante das regulamentações, regrinhas e proibições ele decide partir.

O pai ficou abalado. Era seu filho quem partia e que estaria a mercê das contingências da vida. O pai sabia que à força ele nunca seria um filho verdadeiro; um filho que se torna filho forçado, não é filho. O pai sabe que o filho enganado pensa que os bens materiais o fará completo e tornará ele o homem que deseja ser. O pai bem que pela autoridade poderia fazê-lo voltar atrás, retroceder; mas sabe que se o filho assim queria, melhor ele ter suas próprias experiências longe da relação paternal.

Assim o filho vai... Liberdade! Possibilidades! Uma vida completamente diferente e realizada! Um jovem livre!

Não havia mais comunicação entre ele e seu pai; considerava seu pai como morto e assim procedia dia a dia. Sua intenção era satisfazer-se com o esbanjamento de seus recursos. Começou a viver e a procurar sentido para a sua vida.

O próprio dinheiro que possuía era uma espécie de segurança e realização. As muitas baladas, músicas, encontros, se sucederam. As amizades aumentavam enquanto ele esbanjava juventude e liberdade, mas havia a necessidade de criar meios e formas de satisfação. A satisfação não era garantida. Para a sua surpresa a vida não o estava recompensando na forma como ele esperava. Quanto mais possuía, mais desejava; quanto mais amigos pudesse ter, mais necessidade de afirmação entre outras pessoas seu ser clamava; por mais mulheres que pudesse ter e bocas para se beijar, mesmo assim perpetuava a necessidade de ter sentido em sua existência. Gradualmente começara a perceber que a vida perdera a graça, tudo estava se tornando fugaz.

Na verdade ele drenou todas as suas energias, esgotou todos os seus recursos. As amizades, as emoções, o sexos...definhavam sua alma. Sua conta corrente estava negativa. Esgotaram-se todos os recursos. Esgotou os apetites, esgotou os amigos, esgotou o sexo, esgotou tudo; para a sua surpresa o que ele sonhara não acontecera. Seus sonhos ruíram e não via mais chance de sair daquela situação caótica e daquele marasmo.

Esse jovem talvez tenha se perguntado como ele permitira esgotar sua vida dessa forma. Afinal, não era essa a intenção. O vazio estava presente, os desejos não supriram o esperado.

Esse jovem se afastara de seu pai, concomitantemente afastava-se de si mesmo e do sentido da vida. Estava desnorteado, confuso, cansado, desalentado e com fome. Não tinha notícias de seu pai e de ninguém de sua ex-casa. Estava à mingua e só.

Essa história foi contada por um Judeu (Jesus) para outros Judeus. No Judaísmo, os porcos são considerados animais imundos. Jesus diz que ele, devido a fome, foi cuidar de manadas de porcos; significando que ele havia descido ao sub mundo mesmo, perdera sua dignidade. Outrora cercado de bens e de aconchegos, agora fatidicamente invejando porcos. Ele com fome, enquanto os porcos se lambuzavam e se satisfaziam com a comida. Não havia mais os amigos, as rodas de bebidas, as garotas, os confortos e dinheiro. Qual o sentido da vida em viver assim? Sem pai, sem lar, alegria e sem vida?

Esse garoto resolveu sair de casa para curtir e gozar a vida, mas a vida enganosamente e sarcástica era quem estava gozando dele. A ironia dessa vida era que ele havia saído de seu lar para viver uma liberdade que não aconteceu, pelo contrário, o tornou escravo de seus próprios erros.

Por que não amamos viver? Por que há vazio em nós? Por que olhamos a vida e a pintamos de uma forma tão idiota, sem graça e sem sentido?

Quando estamos longe da casa e da presença do Pai a vida que levamos se torna pesaroso e com um fardo extremamente difícil de carregar. É como o personagem Cristão do filme O PEREGRINO. Há um fardo enorme em suas costas e ele não suportando mais esse fardo procura algo que o livre dessa agonia. Só no encontro com a CRUZ é que o fardo cai de seus ombros.

A maioria dos seres humanos já sofreu e sofre a angústia de que quanto maior é o numero de coisas que se deseja agarrar, provar e sentir, mais vazios eles se tornam. Por isso, há uma quantidade enorme de pessoas que estão beirando o suicídio, gastando dinheiro em remédios, clínicas e medicamentos.

Houve uma virada na consciência desse jovem. O texto diz que ele “caiu em si”. Esse “cair em si” significou uma mudança de rota no caminho desse jovem. É provável que ele tenha sido influenciado pela recordação do amor incondicional de seu pai, pois é dele que ele lembra e faz referência: “...irei ter com o meu pai...”. O amor introduziu uma esperança em sua vida. E foi o amor de seu pai que o fez levantar e sair daquele lugar ao qual ele não foi criado para estar.

Penso que naquela viagem regressiva de volta ao verdadeiro lar deve ter sido difícil. Poderia ele pensar: “com que cara eu vou chegar lá?” “como irão me recepcionar meus amigos e família?”.

O que se ouve numa situação dessa é: Você não presta mesmo! Não adianta, você nasceu para desgraçar sua família e você mesmo!

Quando o Pai o vê, nos diz as Escrituras que esse pai se compadece de ver seu filho naquela situação. Estava mal vestido, fedendo, doente e ferido. O filho necessitava dizer algo: “Pai, errei! Pequei contra ti, não sou digno de ser chamado teu filho; me aceita pelo menos como um dos teus servos, trabalhadores”.

Não era as palavras que interessavam ao Pai, mas o próprio filho. Naquele momento o Pai concedeu-lhe Graça e este foi introduzido como filho e herdeiro novamente.

Sabemos que o Pai é Deus. O filho somos nós. Todos nós. O personagem pode ser eu, você. O que nada muda aqui é o amor reconciliador que Deus sente por nós.

Pensem nisso!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

HOMOFOBIA - PASTOR RICARDO ESPÍNDOLA


Homofobia: crime ou pecado?
Há alguns domingos preguei em minha igreja um sermão deveras contundente, onde uma das primeiras linhas ditas foi que homofobia, além de crime, é pecado. Naquele instante vi o rosto perplexo de alguns amados irmãos intrigados com minha colocação.
Aconselho, tanto por e-mail como no gabinete pastoral, um número incontável de pessoas. Faço questão de dar atenção individual, com tempo e qualidade. Não poucas vezes, me deparo com casos de pessoas com situações onde a homossexualidade tem sido um fardo quase que impossível de carregar. Não se aceitam, não se perdoam, não entendem e, acima de tudo, não gostariam de ser como são. São pessoas normais, às vezes pais de família, gente como a gente. Discriminar esses indivíduos não é apenas crime, acima de tudo é pecado. Jesus disse "vinde como estais".
A Bíblia é clara quando afirma que "todos pecaram". Todos inclui a nós mesmos! Pecado é pecado, independente da prática. A prática por si do pecado nos condenou à morte. A condenação do homossexual é a mesma de toda a raça humana. Não entro aqui nas questões de soterologia e doutrinas individuais, apenas um foco simplório, mas objetivo do pecado.
Crente não discrimina. Cristão não persegue! É função nossa amar o pecador, receber o perdido, acolher o moribundo. Somos bons samaritanos, em um mundo que rouba a vida de quem a tem.
Toda a polêmica hoje criada em torno da lei de criminalização da homofobia, mais conhecida como PL 122, não é por questões religiosas. A fé cristã, professada por diversas igrejas e denominações, sejam católicas ou protestantes, tem, na sua maioria, um posicionamento firme no tocante à homossexualidade. A Bíblia é categórica ao afirmar ser uma prática condenada, e não a aceita sob nenhuma forma ou argumento. Somos, entretanto, ainda mais tolerantes que o judaísmo e o islamismo, pois o que nos diferencia é o fato de amarmos o indivíduo independente de seu pecado, por sabermos que o poder de Deus manifesto no Calvário em Cristo é suficiente para mudar o homem.
O que se propõe hoje não é resguardar direitos civis de indivíduos vitimados por discriminação. Mas o que se busca hoje é criar um estado de secessão, no qual grupos ditos minoritários são resguardados por uma legislação dúbia e esdrúxula, que visa criar um estado distorcido e indiosincrático, onde, para o mesmo crime, surgem punições diferenciadas. Como pode a lei ser mais complacente com o racista, ou o xenófobo, sendo implacável, entretanto, com o homofóbico?
Evangélicos também são minoria. Mas quem ira resguardar nossos direitos? Quem irá garantir nossa liberdade de culto e nossas expressões religiosas? Nossa teologia e nossos princípios são milenares, entretanto quem estará preservando nossa tradição bíblica? Serei punido, enquanto pastor, se no meu púlpito declarar as verdades bíblicas, entre elas o pecado da homossexualidade. Serei preso se coibir qualquer tipo de manifestação homoafetiva (termo da lei) dentro das paredes da minha igreja.
Outro dia saindo da igreja, passei em um mercado, e estava vestido com meu colarinho clerical. Bastou o fato de estar usando meu hábito para um grupo de quatro homossexuais começarem a fazer chacota do meu sacerdócio. Calado estava, calado fiquei. Mas me perguntei: quem vai me defender desse tipo de fobia, tão racista e fóbica como a bandeira que eles tentam empunhar?
É tempo da igreja entender que essa não é uma questão de fé, pura e simples. Não é uma questão religiosa somente. É, sim, uma questão de cidadania e liberdade civis. A igreja está ameaçada, a família está ameaçada, a sociedade está ameaçada. Quem irá nos defender? Pense nisso!
Ricardo Espindola é pastor, vice-presidente da Igreja Batista Central de Brasília (www.ibcb.org). Co-autor do livro "Os Frutos do Fruto do Espírito". Investe também nas ministrações para a televisão apresentando o programa "Um Novo Dia" que é exibido nacionalmente via TV a cabo e em TVs abertas do Distrito Federal. Graduado em Administração de Empresas pelo UniCeub, exerceu cargos públicos nas esferas federal e distrital, recebendo o título de Oficial da Ordem do Mérito Brasília pelo Governo do Distrito Federal.
Fábio Menen

A TIRANIA DO VAZIO



A TIRANIA DO VAZIO

A busca incessante pelo sentido da vida.

O tempo e a transitoriedade da vida.

Ocupa-se na mente hodierna o desejo de obtenção de seus sonhos e desejos.

Todo ser humano, ou pelo menos, a maioria deles, tem a sensação de que falta algo em suas vidas. Algo que não encontrou um correspondente; uma peça que não se encaixou ainda nos desdobramentos de sua caminhada. Andamos a procura de algo que nos dê sensações de bem estar e de aconchegos. Procuramos sempre avançar a partir do ponto onde paramos, e daí em diante, avançarmos mais ainda. Uma busca frenética por coisas, posições, objetos, prestígios, que alcançados nos dê uma sensação de realização.

E quando experimentamos sensações, prazeres, alegrias, liberdades e mesmo assim você percebe que ainda falta alguma coisa? E se tudo aquilo que se amealhou, guardou, experimentou; conhecimentos e emoções que se acumularam fossem tirados repentinamente de você deixando-o/a sem expectativas e sem uma certeza de que valeu a pena?

O vazio existencial está presente na vida de todo ser humano, isso em maior ou em menor proporção. Esse sentir se aflora em conjunturas as mais diversas. Na verdade, diante de perdas, lutos, dificuldades, falências, derrotas, ficamos a mercê de nos sentirmos um nada, um zero a esquerda, sem sentido de ser e sem importância alguma. Isso atinge pessoas ricas, pobres, brancos, negros, ateus, religiosos, solteiros, casados, jovens, adultos e até crianças. O mal do século é chamado de estresse, solidão.

A meu ver, o planeta Terra está doente. Não o planeta em si, mas as pessoas que nela habitam. Os distúrbios psicológicos estão presentes e perceptíveis. A cada dia você não sabe o que se pode esperar das pessoas. Homens pedófilos, mulheres que agridem senhoras idosas e crianças indefesas, bebês lançados no lixão como se fossem lixos, mulheres que na infelicidade de seus casamentos não se valorizam mais, etc.

Isso é apenas a ponta do iceberg que demonstra a doença humana. Não é a aids que tem matado muita gente e nem o câncer; o que mata é o vazio existencial na vida dessas pessoas. Gente milionária que se suicida, jovens que se atiram de prédios e shoppings, adolescentes que nem começaram a viver e que desistem de tudo por causa de insatisfações e decepções. Não entendem o sentido e significado da existência, por isso, não vale a pena ter ideais. Vive-se apenas a efemeridade do momento. Constata-se a inutilidade da existência e a vêem sem propósito estabelecido.

O vazio do ser humano é algo bem mais complexo. Nesse pequeno texto não me aprofundo sobre o tema, apenas confirmo o que existe.

Para tentar preencher esse vazio vale tudo. Orgias, drogas, seitas... O que vale é transcender o imediato e ser transportado para algo paralelo a fim de se esquecer o que é. Li algo que mexeu muito comigo:

Quando a pior realidade que um ser humano conhece na existência é a morte, então ele quer viver;
mas quando, de súbito, ele reconhece a vida como sendo a pior experiência de seu existir humano,
então, nesse dia, ele deseja ardentemente morrer
.

Não tenho dúvidas que é assim o mundo de hoje. Porém, tenho absoluta certeza que não estamos abandonados. Não creio que tudo isso veio a existir em decorrência do acaso.

Há sentido na vida.

Caio Fábio expressou isso de uma forma profunda e simples:

Jesus Cristo é a pessoa mais fascinante que já pisou o chão do
planeta Terra. Sua vida é um milagre dinâmico com voz, suor, altura e cor.
Do berço à sepultura ele é irrepetível. E esta sua irrepetibilidade se
acentua mais ainda, pelo fato de ter sido o único que venceu a morte,
pondo nos lábios dos seus seguidores um canto de desdém para com ela:

"Onde está, ó morte, a tua vitória?
Onde está, ó morte, o teu aguilhão?"

Jesus é o Filho do homem; é a flor que brotou entre os espinhos da
civilização humana; é o Sol que nunca se põe; é a Lua que jamais míngua,
é a primavera eterna da esperança, é o pão da vida, é a luz do mundo, é
Deus com cara e carne de homem, é homem com natureza e coração de
Deus.
Segui-lo é seguir o novo. Andar com ele é palmilhar caminhos nunca
vistos. Acompanhá-lo é aventurar-se a mergulhar no lago que aos olhos
do viajor cansado era miragem. O mundo no qual ele nos introduz
apresenta visões jamais vistas, melodias e palavras nunca antes ouvidas,
concepções e idéias que em tempo algum surpreenderam o coração
humano.

Seguir Jesus é o mais fascinante projeto de vida. Nada pode ser
comparado à possibilidade de existir em Jesus. Aceitar seu convite é
deixar-se transformar em metáforas vivas: a mente se torna repleta de
idéias como um rio povoado de cardumes; vulcão em erupção; os pés adquirem a velocidade das gazelas e dos leopardos no encalço da sua presa; as mãos se transformam em garras quenão ferem, só curam; o olhar se converte em sol que ilumina recônditos escuros do coração, e os ouvidos se metamorfoseiam em caracóis captores do som dos mares conturbados da experiência humana e da voz como a
voz de muitas águas do Senhor da História.

Andar com Jesus é fazer da vida uma liturgia, e da liturgia, vida. Em
Cristo, existir é culto, e o corpo é um "sacrifício vivo, santo e agradável a
Deus”; a mente, um santuário que oferece culto inteligente. Na verdade,
Cristo transforma a vida em sacramento.

Se é assim, não devemos ser ocos em nosso interior. Aliás, a Palavra diz que somos Catedral e habitação do Espírito Eterno. Há sentido e propósito.

Ele mora em você? Habita seu interior? Conduz sua vida?

Não há vazio naqueles que são habitados pelo Senhor da existência.

Se há o vazio existêncial é porque não conhecem o Deus da existência.

Se você quiser saber quem é Deus, olhe para Jesus. Jesus é a expressão exata do ser de Deus.

Deus não admite ser percebido a não ser em Jesus.

Pensem nisso!

Fábio Menen



quinta-feira, 1 de outubro de 2009

SITE PORNÔ CRISTÃO



Site Pornô Cristão


Saiu uma reportagem na revista Eclésia sobre a SEXXXCHURH,

( http://www.sexxxchurch.com/ ) como a reportagem não foi publicada completa estamos colocando no ar a versão completa.

Além de divulgar que foi a Roberta Tschernev que nos entrevistou.

Não é de hoje que para algumas igrejas o simples fato de mencionar a palavra “pornografia” já implica num pecado pior que blasfemar contra o Espírito Santo. Para alguns abordar sobre o tema sexo ainda é um tabu e seu confronto é um paradigma muito distante de ser quebrado. Mas pior do que pronunciar a palavra é ver a pornografia invadindo os lares cristãos deliberadamente e destruindo a vida de muitos servos de Deus. Esta é hoje a realidade de centenas de cristãos espalhados pelo mundo a fora. Considerando que, em nossos dias, a internet é a maior propagadora de informação que se tem notícia e com um alcance tão abrangente que se tornou impossível policiar o seu conteúdo ou detê-lo, obviamente é pela internet que o acesso a todo tipo de degradação sexual chega às nossas casas, famílias e crianças. Pensando nisso, o pastor norte americano Craig Gross idealizou um site chamado XXX Church (XXX na linguagem da internet é uma alusão à palavra sexo ou à pornografia) com a intenção de atrair pessoas interessadas ou viciadas em pornografia. Seu conteúdo está no ar a cerca de seis anos e tem ajudado a muitas pessoas a buscarem cura para um vicio cada vez mais comum no nosso meio.Aqui no Brasil a concessão desta idéia foi delegada a um grupo de aproximadamente 15 pessoas, entre eles sexólogos, psicólogos, pastores e intercessores, que sob a batuta do diretor de arte João Mossadihj, de 25 anos, a registraram sob o endereço sexxxchurch (www.sexxxchurch.com). Em seu primeiro mês no ar, o site recebeu mais de 230 mil visitas. Um número impressionante considerando seu pouco tempo de existência, porém, frente a um site pornográfico representa módicos 1% de acessos. Além de servirem como ferramenta evangelística o grupo visa fortalecer e preparar pessoas que vivem sob ou enfrentam a pornografia em suas vidas, através de um relacionamento sólido e verdadeiro com Jesus Cristo. Em suas metas estão projetos ousados e corajosos como montar stands em feiras eróticas para a distribuição de materiais gráficos e bíblias e, também, a participação na Parada do Orgulho Gay através de uma ação criativa e surpreendente, com vasta distribuição de materiais e apresentação de teatros.

Eclesia: Porque site cristão pornô?

J. Mossadihj: Por tratar-se de um site cristão que aborda a pornografia desde uma perspectiva bíblica. A pornografia é uma palavra que a igreja deve inserir e lutar contra ela, não condenando, mas mostrando o amor de Deus e a forma como se livrar deste vício.

Eclesia: Vocês recebem depoimentos de pessoas que, de fato, envolveram-se com a pornografia, o que fazem com estas informações?

J. Mossadihj: Reunimos a equipe, oramos e vemos qual a necessidade daquela pessoa. Alguns depoimentos são muito fortes, como o caso de um pastor que, por email, nos perguntou se poderia continuar praticando com sua esposa, uma modalidade conhecida por BDSM, que inclui o sadomasoquismo. Vendo isso, conclui-se a necessidade de se falar sobre sexo dentro das igrejas se torna prioritária.

Eclesia: como se dá o vício na pornografia e como pode ser tratado?

J. Mossadihj: O vicio acontece de duas maneiras. Primeiro pelo abuso sexual quando criança criando seqüelas como o vício da masturbação ou algo assim. Ou acessando e se alimentando do softporn (pornografia leve) que é quando a pessoa entra na página de um grande portal e vê aquelas notícias sexuais seguidas de fotos sensuais de modelos seminuas. Quando o indivíduo começa a se alimentar do softporn sua mente vai quer entrar num nível maior, sendo que a pornografia apresenta um sexo irreal. Nela não se encontra o romantismo, as expressões de ternura e a santidade que deve estar presente no leito conjugal, o diálogo, o respeito mútuo, as preliminares que fazem parte da intimidade sexual de um casal. O que a pornografia apresenta é um sexo desprovido de amor, apenas um ato físico grotesco. Tratar esse vício exige coragem. É preciso encontrar uma pessoa de confiança para orar e ajudar nos momentos de vacilo. É necessário instalar em seu computador um filtro para evitar a procura pela pornografia. Sair disso não é fácil mais exige que se dê o primeiro passo. Viva sua vida pela Bíblia.

Eclesia: O vicio na pornografia tem abrangido um número cada vez maior de evangélicos, como resolver este problema?

J. Mossadihj: Uma pesquisa feita nos Estados Unidos estima que cerca de 10% dos evangélicos estão afetados. Não é exagerado dizer que uma porcentagem maior dos evangélicos brasileiros são consumidores de pornografia. Eu digo que esses números são maiores por causa da nossa cultura de “carnaval, praia e futebol”. Onde cada dia mais os biquínis e roupas estão cada vez menores e cada vez mais a sensualidade está dentro de sua casa através da TV / INTERNET / REVISTAS. Não é errado acessar a internet, é errado acessar a pornografia através do seu computador. Esse problema só vai ser resolvido quando a igreja tomar coragem para falar realmente sobre o problema. No site da Sexxxchurch existem algumas maneiras criativas de evitar que a pornografia se aloje dentro de sua casa, basta ler.

Eclesia: Muitas pessoas não acham que o ato da masturbação é pecado por se tratar de um ato solitário, isso também é um vicio? Como resolver o problema?

J. Mossadihj: Nossa atitude reflete nossa interpretação da perspectiva de Deus sobre pureza conforme sua origem nas Escrituras. Com certeza na bíblia você não achará “Não espanque o palhaço”, entretanto em muitas passagens, ela ordena que mantenhamos a mente limpa, pura e santa. A origem latina da palavra, masturbare, é uma combinação de duas palavras. Manus (mão) e stuprare (desonrar, profranar), assim sendo originalmente masturbar significa “desonrar com a mão“. Santidade não é um atributo de Deus, mas sua natureza essencial (Espírito Santo). Santidade se refere a Deus e ou aquilo feito santo por ele e, portanto, nenhuma santidade existe fora dele. “Santo” indica a própria separação de Deus da impureza ou pecado em sua perfeição de ser. Agora eu te pergunto como ser santo e praticar isso? Se a Masturbação fosse algo normal a incorporaríamos em liturgia dentro da igreja. Você já imaginou Jesus fazendo isso?

Eclesia: De que maneira a pornografia tem atingido a homens, mulheres e crianças?

J. Mossadihj: Por partes. Nos homens através da estupidez ou ingenuidade de pensarem que as coisas que vêm e ouvem não afetam. Todos admitimos que boa música, bons filmes e bons livros só têm a acrescentar em nossas vidas. As imagens ruins fazem mal. Como disse tudo isso começa com o softporn. Aquelas pequenas imagens, aqueles pequenos acessos esporadicamente em sites sensuais que podem, muitas vezes, acabar com casamentos. Se você acessa um site mais pesado não vai demorar muito para querer fazer com sua mulher ou ir atrás de uma prostituta. No site existem alguns tópicos sobre como a pornografia tem atingido as mulheres. Elas são atingidas em dois aspectos, o fato dela ser viciada em pornografia e o fato de seu marido ser viciado em pornografia. No primeiro ela não tem como falar porque a maioria dessas mulheres têm muita vergonha de conversar sobre esse vício, porém primeira coisa a ser feita é admitir que tem problemas com a pornografia. Acredite, você não é estranho ou anormal se tem esse problema. Milhões de mulheres estão em vários estágios na luta contra a pornografia. Não é nenhuma surpresa. A indústria pornográfica gastou bilhões de dólares tentando conquistar você. Lute contra ela.Com relação às crianças, assustadoramente entre 2.000 crianças, um quarto foram abusadas. A pornografia começa atuar nas crianças quando os pais param de entretê-las e as deixam jogadas em frente a TV ou a internet. Hoje crianças de 8 anos têm corpo de 12. E como falar de sensualidade para uma criança de 8 anos com corpo de12 anos? Será que a igreja está preparada para isso? 20% das crianças que nascem são filhas de adolescentes, número que representa três vezes mais garotas com menos de 15 anos grávidas que na década de 70. A Porcentagem de grávidas entre 16 e 17 anos é de 84%. Sendo que 10% das adolescentes teve sua primeira relação sexual até os 13 anos. Recomendo um filme chamado Anjos do Sol, todo cristão deveria assistir e ver como a pornografia incentiva e alimenta a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes no país. Algumas das frases que o site recebe por email. Os nomes foram ocultados a pedido dos internautas:

“minha vida esta de cabeça para baixo, tenho relações sexuais com varias mulheres e gostaria mundo de mudar o que eu faço”

“Então estou nessa luta… e quero pedir a ajuda de vocês em orações… porque estou conseguindo vencer… faz algumas semanas já que não me masturbo… mas só que o desejo às vezes quer vir à tona… mas estou lutando com todas as minhas forças… e peço que vocês me ajudem em oração para que eu vença… e me liberte em definitivo disso tudo…”

“eu estou cansado, estou cansado de ser um escravo… tenho 20 anos e desde os 14 anos não consigo me livrar da masturbação e dos pensamentos homossexuais; apesar de ser evangélico eu não me considero livre. De fato eu sirvo a Deus, como pode Ele não ter me libertado de tais pensamentos e ações??? "

Testemunho - Uma alma clama neste exato momento acabo de deletar uma pasta de pornografia do meu PC com 5GB de vídeos e fotos. Entre eles vídeos caseiros, fotos amadoras e de pessoas do meu próprio convívio, onde fui construindo minhas fantasias e perversões.Tenho 22 anos e convivo com isso desde os 14 anos, e desde que ganhei meu computador pela primeira vez. Arrumei um jeito de me envolver com a pornografia. Ao longo dos anos assisti a muitos filmes na TV, comprei algumas revistas. E usei muito a imaginação. Mas hoje, mais uma vez, tento largar tudo isso, não para ficar cego pela religião. Mas para tentar ser puro, como eu sempre tentei e sonhei em ser. Porque sinto que tenho um “coração” bom, uma índole boa, porque sou temente a Deus e conheço sua palavra. E hoje me encontro de pára-quedas aqui. Já andei visitando esta página por algum tempo, como tenho participado da repercussão no meio evangélico. E isto para mim não importa. Porque simplesmente, eu vejo que a idéia é boa. E que milagres podem acontecer, se nós estivermos dispostos. Quando amanhecer pretendo jogar fora algumas revistas que tenho aqui e um DVD pornô também. Sinto-me mais leve, mais relaxado, mais vivo agora. Mesmo que seja uma sensação do momento, é uma sensação que valeria por toda uma vida!Espero que estejam orando por mim, clamem a Deus. Preciso de forças.

Nota da redatora: No site www.sexxxchurch.com existem várias dicas sobre pureza sexual e sobre como vencer o vício da pornografia. Se esta matéria falou ao seu coração. Se o amado leitor está enfrentando este tipo de problema, acesse e busque em Deus uma forma de se libertar.

FÁBIO MENEN